Poesia

RIZOMA
O caule pulou da terra,
a raiz caminha no escuro.
Origem, ponto cego.
Pra que saber o sexo do besouro,
ou mesmo o canto do quadrado se ela é redonda.
(…)

[SEM TÍTULO]
Ossos esfacelados
pelo carrasco do tempo
corroendo e expondo vísceras
e quebrando ossos de corvos maltrapilhos

RESTO
Molambos sangram debaixo de marquises
tendo um cobertor de papelão
e um chão sem travesseiro
dormindo o sono dos injustos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s