1984_2_george_orwell

Desafios

Tantos desafios vencidos e tantos outros ainda a enfrentar ao longo da estrada…

No Meio do Caminho  – Carlos Drummond de Andrade

No meio do caminho tinha uma pedra

Tinha uma pedra no meio do caminho

Tinha uma pedra

No meio do caminho tinha uma pedra

 

Nunca me esquecerei desse acontecimento

Na vida de minhas retinas tão fatigadas

Nunca me esquecerei que no meio do caminho

Tinha uma pedra

Tinha uma pedra no meio do caminho

No meio do caminho tinha uma pedra.

 

Mas vamos sempre seguindo, mesmo diante de tantos perseguidores implacáveis junto aos seus conselheiros pérfidos, onde a mais completa indiferença já não basta mais, é preciso esquartejar e expor os pedaços em praça pública – principalmente quando alguém se ausenta de alguns encontros (ao dizer prefiro não) no salão d’O Grande Gatsby entre convidados e intrusos atrasados há pelo menos meio século – (“por favor não saiam da praça antes de ouvir o último suspiro e ver a última gota de sangue cair sobre o adubo para alimentar os vermes. é preciso ter certeza de que tudo realmente se esvaiu. obrigado!”), para alimentar a sociedade do espetáculo nessa aldeia global e buscar disciplinar, controlar e dilacerar os corpos, com seus atuais projetores ferozes sempre a nos vigiar com seus óculos infravermelhos sob uma luz mortiça mirando os indulgentes, tentando sufocar e matar suas sobrevivências, o lampejo fugaz com sua faísca de esperança, diante de um mundo que perdeu quase todas as suas ilusões e grande parte de sua esperança para dar lugar a um outro tipo de ideologia, muitas vezes com discursos que já nascem com certidão de óbito desde a primeira letra…, ainda assim vamos seguindo, nem que seja para alimentar um único grão de esperança, mesmo nestes tempos de morte da experiência e de pobreza, em meio a todas as formas de violência e barbárie…mas, não esqueçam jamais, as sobrevivências são indestrutíveis e continuarão lançando seus lampejos pobres e precários, fugazes, com suas luzes intermitentes… aprendendo a sonhar e renascer como uma fênix todos os dias. Agradeço a *Poesia por acalentar grande parte de minhas dores…

*Obrigado Drummond por escrever algo tão profundo com tanta simplicidade.

Até qualquer dia, especialmente para aqueles e aquelas que estão no limiar das sobrevivências

m.t.

Anúncios

23.

habit-ações…

quantas pernas bamboleantes…

por que lá a maré nunca está boa?

e esta fuligem, este rio que passa sem ao menos dizer um adeus,

em meio ao rumor do tráfego lá em cima nos viadutos.

e esses ameaçadores automóveis com seus olhos de serpente;

este metal duro e indiferente.

por que essa gente vive tão separada por essas margens,

de um lado olhos sonolentos,

olhando para o outro lado da margem,

em frente a um amontoado de cascos duros com dedos em riste quase tocando o céu

com tamanha indiferença, silêncio e separação…

por que essas águas não responde o meu grito?

quais epidermes moram nestas habit-ações?

não sei o que responder ao  estômago quando ele começa a perguntar demais.

por que não encontro respostas para saciar o meu próprio corpo,

frágil e agonizante…

por quê?

m.t.

Foto e vídeo

DSCN0506DSCN0507DSCN0512DSCN0523

Alerta

 

Habit-ações

Lançamento e Exposição em breve!

16998095_1313542222022605_3038486759997250709_n

EM BREVE!

CHÃO AREJADO – EXPOSIÇÃO MOSTRA POÉTICA IMAGENS E INSTINTOS

Produção e Edição de Vídeo e Documentário: Lais Rilda

Textos: Marcos Torres

Interpretações Gráficas: Uillian Novaes

Residência Artística

Publicado: janeiro 11, 2017 em Conto

Residência Artística para experiências intercambiáveis…

Arerogramme Writers’ Studio

http://www.aerogrammestudio.com/2017/01/05/residencies-for-writers-2017/

Mundo Líquido-Moderno

Publicado: janeiro 10, 2017 em Literatura e Outras Artes

Sempre sou atravessado pelos pensamentos e paradigmas conceituais de Zygmunt Bauman. Um sujeito constantemente inquieto, ácido, com extrema lucidez,  com grande percepção sobre o mundo e o estado das coisas, jamais dava uma resposta simples para uma pergunta complexa, isso fica para os rasos, para os que têm pouco ou quase nada a dizer…Responde tudo sempre com muita elegância e cuidado, mesmo diante de um mundo líquido-moderno cada vez mais rarefeito…

Leia as duas entrevista com Zygmunt Bauman:

Revista Cult – Bauman: ‘Para que a utopia renasça, é preciso confiar no potencial humano de reformar o mundo’

http://revistacult.uol.com.br/home/2017/01/bauman-para-que-a-utopia-renasca-e-preciso-confiar-no-potencial-humano-de-reformar-o-mundo/

El País: Zygmunt Bauman: “Las redes sociales son una trampa”

http://cultura.elpais.com/cultura/2015/12/30/babelia/1451504427_675885.html

 

 

 

22.

daqui saiu a barriga onde um dia eu fui gerado em outra terra. aqui, onde tantos corpos são atravessados por faltas e escassez. onde o vento sopra vindo do lado deste imenso oceano com a face virada para outros continentes. neste extremo oriental do brasil onde o sol nasce mais cedo… estes versos do poeta, bailando com o vento nestas águas cor de anil…  se somos cidadãos e cidadãs do mundo por que pouco nos importamos com o que está acontecendo do outro lado do oceano, com o que está acontecendo próximo de nossa respiração, ao nosso lado? este mapa indiferente, separando os corpos, segregando as culturas no fundo deste oceano, por entre as folhagens dessas matas densas com galhos secos… uma pintura viva, poética, este cachorro deitado neste chão de terra macia, dormindo um sono tão tranquilo, em silêncio e ouvindo o sussurro do vento vindo do leste…tão diferente de baleia que falava pelo estômago, com seus ossos e pele duros como um cepo…

…estou deitado em um parapeito da janela de alguma casa feita de estacas e barro batido…

cabo branco – joão pessoa – paraíba – brasil

marcos torres

foto e vídeo

dscn0338dscn0339dscn0290

 

22.1

…por que não apagamos as linhas dos mapas e juntamos os oceanos e pisamos em uma terra sem dono…

…estou sentado em algum arbusto por entre os galhos ou entre as folhas secas das árvores…

cabo branco – joão pessoa – paraíba – brasil

marcos torres

foto e vídeo

dscn0289dscn0291

EMERGÊNCIA

Publicado: dezembro 1, 2016 em Literatura e Outras Artes, Poesia

Poema Visual – Visual Poem. Para a coletânea do livro-experimental “Cartografia”

emergencia

[hã]-verso

Publicado: novembro 17, 2016 em Literatura e Outras Artes, Poesia

gorila

“Chão Arejado” – Lançamento em breve!

textos: marcos torres

interpretações gráficas: uillian novaes

 

[hã]-verso

eu

sou aquele
ao seu lado.

veja-me.

ao emitir minha voz profunda não precisa ter medo.

só quero livrar-me dos inimigos, caçadores e canibais.

somos filhos dos mesmos avós.

nossas distâncias são grandes,

porque não gosto do rumor do tráfego nem de suas buzinas enfurecidas.

prefiro saborear os brotos de bambu no silêncio das montanhas do congo.

sou pacato, assim como o meu bando.

só não gosto de perturbações.

será que não vê o mundo já cheio de ruídos?

pra que tanta hostilidade, esta linguagem beligerante, cheia de segregação…

nossos filhos têm brincadeiras iguais.

veja do outro lado o seu antepassado.