PREDADOR

Publicado: junho 29, 2013 em Poesia

PREDADOR

Lá vem
o algoz correndo atrás da presa,
lambendo o chão de tinta vermelha
com cheiro de carne fresca,
as unhas de dentre-de-sabre
ao encalce do homem da senzala.

O hálito soltando fogo,
como um dragão soprando fumaça
atrás da nuvem escura;
a boca bafora cicuta e cospe detritos
na têmpora do desgraçado.

O maldito chora escondido
em frente aos olhos da serpente,
atrás do cobertor de papelão,
e fica protegido por um artigo, parágrafo ou inciso 3,
no óbito de uma celulose,
quase apagado ou derramado como água salobra.

O predador fica à espreita
derramando saliva no canto da boca,
depois dorme numa cama macia
e espera o maldito sair do gueto para dar o bote.

M.T.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s